Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Pedro Rolo Duarte

13
Jun16

Livros (com cheiro e sabor) no Parque

Hoje dei uma última volta pela Feira do Livro - a terceira, depois de duas visitas cirúrgicas, para estar com amigos autores em sessão de autógrafos. Acabei por não comprar nada: nas novidades, o que me interessava já tinha; nos alfarrabistas, onde me demorei mais de uma hora, o único livro usado que quis comprar custava 30 euros, o que achei um roubo descarado. Arrependi-me de não ter comprado, por metade do preço, o álbum com capas de Jornais do século XX que a Tinta-da-China editou - mais dia, menos dia, lá chegarei…
Gosto da Feira, sempre gostei, mesmo no tempo em que eram barraquinhas simples na Avenida da Liberdade. Passei por todas as fases, também lá me sentei em tardes intermináveis a tentar dar autógrafos nos meus modestos livros, e agora passeio por entre os pavilhões como quem anda pelo Chiado. Com gosto, mas sem objectivo especifico.
Nos últimos anos a Feira do Livro de Lisboa tem ganho novo alento e dinâmica mercê de eventos paralelos, da música ao teatro, da “street food” aos debates, e sou dos que defendem que esse é o caminho certo para que nunca se perca este movimento de milhares de pessoas, de todas as idades, a passear pelo Parque, e a conviver com livros de toda a espécie.
Feito o elogio e defendido o conceito, não resisto a reproduzir o diálogo mais divertido que tive. Foi com a Joana Stichini Vilela, com quem partilho a apresentação do programa Central Parque. É a piada do ano sobre a Feira. Para mim, claro.
Pergunta ela:
- Já foste à Feira do Livro?
- Já, fui ontem pela primeira vez…
- E que tal, comeste bem?

1 comentário

Comentar post

Blog da semana

Ladrões de Bicicletas. Voltar a um dos mais clássicos blogues colectivos de análise e pensamento social e político e reencontrar excelentes textos, opiniões pensadas antes de escritas, e o prazer de um bom serão ao sofá a ler. Like.

Uma boa frase

“O centrão político - conservadores, liberais, social-democratas, trabalhistas - anda há mais de vinte anos a liberalizar os movimentos de capitais, a desregulamentar as actividades financeiras, a promover o "comércio livre", menorizando as consequências resdistributivas destas opções. Andaram a promover a ideia de que o mundo é mais bem gerido pela "mão invisível" dos mercados do que pelos poderes democraticamente eleitos. De que é que precisam mais para perceber que este é o resultado da sua globalização: que Marine Le Pen vença as presidenciais francesas?" Ricardo Paes Mamede, Ladrões de Bicicletas

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mais comentários e ideias

pedro.roloduarte@sapo.pt

Seguir

Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2007
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D