Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Pedro Rolo Duarte

12
Mai14

Meditar

Sempre que tentei meditar, ao longo destes quase completos 49 anos, adormeci. E gostei de dormir - gosto sempre -, mas não gostei de acordar e perceber que tinha falhado o objectivo. Explicaram-me que o problema era meu, que não sabia meditar. Havia uma técnica. E talvez fosse bom começar por fazer uma experiência em grupo, com uma espécie de “guia meditativo” a orientar a coisa - tanto mais que os sinais exteriores de ansiedade que normalmente exibo aconselhariam uma aproximação suave à pista.

Recusar um desafio não faz parte do meu código de conduta.
E dei comigo, um destes dias, descalço, deitado num colchão fininho, com uma manta azul turquesa a tapar-me, numa sala cheia de pessoas de todos os tipos - mais novos, mais velhos, homens e mulheres, raças diversas -, exactamente nas mesmas circunstancias, à espera do tal guia.
Era “meditação à hora do almoço”: num primeiro andar, ali ao Saldanha, 50 minutos para sair daqui, da realidadezinha, e aterrar noutra dimensão. A primeira meditação é experimental - logo, gratuita. Isso agradou-me e inspirou-me.
O pior veio depois: a voz do guia começou a pedir-nos coisas. Que nos libertássemos de pensamentos esquisitos, que nos entregássemos ao agora. Tentei. A sério. Só que “o agora” era uma obra no prédio ao lado. E o ruído da minha barriga a dar horas. E o telefone que vibrava mesmo não tocando. E o pensamento recorrente sobre o potencial cheiro (inexistente, é um facto) de tanta gente descalça numa sala fechada. Não estava a conseguir meditar.
Procurei seguir o mestre naquele abandono dos pensamentos ruminantes - não foi assim que ele disse, mas foi assim que eu senti - e tentei deixar-me ir pelas suas palavras, ditas de forma vagarosa, monótona, anestesiante.
A coisa começou a dar-se: segundo a amiga que me levou, a Patricia, terei começado a ressonar ao minuto 32, continuando para bingo até ao minuto 40, momento em que o meu ronco me acordou e, envergonhado, fiquei com a pulsação acelerada e já não meditei mais coisa nenhuma. Quando aquilo acabou, havia pelo menos duas pessoas a olhar para mim com ar de compaixão, e eu fiz de olhos baixos o que todos fizeram alegremente: dobrei a manta, arrumei o colchão, e fui buscar os meus sapatos.
Já na rua, apeteceu-me sentir paz e conforto e algo que desse sentido à vida. Pronto: arrumei 3 croquetes e duas imperiais na Versailles, um café a rematar. Quando voltei à rua, estava reconciliado e em paz. Se calhar tinha, por fim, meditado.

7 comentários

Comentar post

Blog da semana

Ladrões de Bicicletas. Voltar a um dos mais clássicos blogues colectivos de análise e pensamento social e político e reencontrar excelentes textos, opiniões pensadas antes de escritas, e o prazer de um bom serão ao sofá a ler. Like.

Uma boa frase

“O centrão político - conservadores, liberais, social-democratas, trabalhistas - anda há mais de vinte anos a liberalizar os movimentos de capitais, a desregulamentar as actividades financeiras, a promover o "comércio livre", menorizando as consequências resdistributivas destas opções. Andaram a promover a ideia de que o mundo é mais bem gerido pela "mão invisível" dos mercados do que pelos poderes democraticamente eleitos. De que é que precisam mais para perceber que este é o resultado da sua globalização: que Marine Le Pen vença as presidenciais francesas?" Ricardo Paes Mamede, Ladrões de Bicicletas

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mais comentários e ideias

pedro.roloduarte@sapo.pt

Seguir

Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2007
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D