Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Pedro Rolo Duarte

10
Nov16

Na hora da verdade, cada um por si

(Crónica de hoje na plataforma/newsletter Sapo24)

O lugar-comum que faz titulo desta crónica podia ser dito a respeito dos portugueses, dos espanhóis, dos franceses, dos ingleses, e de mais um generoso conjunto de povos dispersos que, por razões mais ou menos explicáveis, se tornaram países.
De todos, os Estados Unidos da América talvez constituam o conjunto do estados que melhor espelha a bipolaridade de um mundo ocidental que enche a boca com a democracia e a liberdade mas, quando fecha a porta de casa, ao fim do dia, prefere a segurança com uma espingarda na mão, e esquece quem construiu as torres onde trabalha diariamente…
A enorme comédia (ou tragédia…) desta campanha eleitoral americana talvez tenha sido mostrar, da forma mais rasca, básica, elementar, a contradição de que todos somos feitos entre a defesa de um regime “sexy” e a ameaça que sentimos diariamente. Trump promete um muro a separar o México dos EUA? A Europa ergue muros no Tunel de Mancha, em Calais, na Hungria. Trump é javardo e ordinário com as mulheres? E que fazem tantos militares a quem cabia defender refugiadas e imigrantes na Europa?
A ideia é sempre a mesma: nas eleições de há dois dias nos Estados Unidos, como na fragmentação ideológica e moral da Europa, o que está em causa é a profunda divergência entre o que a maioria pensa sobre a democracia e a forma como, perante a mais escassa ameaça, muda a atitude, mesmo que diga que não muda de ideias.
A democracia, o estado social, a liberdade, a livre circulação de pessoas e bens, a partilha cultural e a inclusão - tudo isto só faz sentido enquanto não são ameaçada as nossas pequenas coisinhas: a casinha e os seus electrodomésticos, o carrinho e a pintura metalizada, a ameaça de bomba no Metro, o emprego e o subsidio anual para as férias no resort em Cancun.
Um dos falhanços mais burros do comunismo foi presumir que mudava a essência do ser humano, que trocava ambição por solidariedade, concorrência por complementaridade, e personalidades por cabeças acéfalas. Um pouco menos mal, a democracia presume que, sendo todos diferentes, somos capazes de, nos momentos chave, nos unirmos em nome de ética, moral, valores e um conjunto de bons princípios. Já vimos que sim. Já vimos que não.
… Ou seja, lamentavelmente, parece não ser (sempre) verdade. Sentados nos sofás a ver pela TV o lavar de roupa suja, talvez tenhamos tido a tentação de pensar que na Europa as coisa são diferentes. Receio que não. Donald Trump foi o grunho sem filtro que, na hora da verdade, disse o que boa parte de nós faz: os outros que se lixem. Esperava que o feitiço se virasse contra ele. Mas nem isso aconteceu. O caos está descarado.

1 comentário

Comentar post

Blog da semana

Ladrões de Bicicletas. Voltar a um dos mais clássicos blogues colectivos de análise e pensamento social e político e reencontrar excelentes textos, opiniões pensadas antes de escritas, e o prazer de um bom serão ao sofá a ler. Like.

Uma boa frase

“O centrão político - conservadores, liberais, social-democratas, trabalhistas - anda há mais de vinte anos a liberalizar os movimentos de capitais, a desregulamentar as actividades financeiras, a promover o "comércio livre", menorizando as consequências resdistributivas destas opções. Andaram a promover a ideia de que o mundo é mais bem gerido pela "mão invisível" dos mercados do que pelos poderes democraticamente eleitos. De que é que precisam mais para perceber que este é o resultado da sua globalização: que Marine Le Pen vença as presidenciais francesas?" Ricardo Paes Mamede, Ladrões de Bicicletas

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mais comentários e ideias

pedro.roloduarte@sapo.pt

Seguir

Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2007
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D