Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Pedro Rolo Duarte

26
Nov16

Não vá o optimismo entusiasmar-se…

(Crónica do Sapo24 de quinta-feira passada.)
Há dias em que, por efeito do sol ou de uma qualquer descarga extra de serotonina pelo corpo fora, acreditamos a acordar que o Mundo, apesar de Trump, é hoje um lugar melhor e mais simpático para viver, e o ser humano tem tendência para se tornar mais civilizado e sensato.
Porém…
… Porém, é melhor não mergulhar de cabeça nesse caldeirão, que além de ser mais pequeno que o de Obélix - o que pode deixar marcas no mergulho… -, com frequência é desmentido pela realidade, como sucedeu nas últimas semanas. Mesmo que, em geral, a paisagem possa parecer mais bonita, uma aproximação à realidade portuguesa pode estragar tudo. E depressa. A única forma de prevenir o choque, e o consequente trauma, é estar preparado para o pior.
Um conselho que pode ser muito útil, para baixar expectativas, e evitar frustrações, nos dias que correm: sempre que, num momento de inexplicável optimismo, acharem que a sociedade ocidental tem evoluído, que somos hoje mais inclusivos, menos racistas, homofóbicos, sexistas, enfim, que estamos no caminho que vai de encontro à Declaração Universal dos Direitos do Homem, abram um jornal desportivo. E caiam na realidade. É um bom exercício.
Podem ter a “sorte” de apanhar um dia mais morno, sem grandes manchetes ou histórias cabeludas. Mas é raro… Em geral, levam sempre um banho de realidade que tanto pode passar por uma agressão animalesca como uma troca de insultos que envolvem toda a familia dos envolvidos - ou, nos casos mais pitorescos, uma cuspidela que envolve líderes de clubes presumivelmente adultos e educados.
Sobre a famosa cuspidela, não adianta chover no molhado. Daqui a cem anos, quando os Historiadores andarem a vasculhar os media de 2016, vão certamente estranhar o interesse e a minúcia com que o tema foi explorado e debatido, numa obsessão quase doentia que, no limite, levou um dos protagonistas a ter o momento iluminado de explicar as cuspidelas dos jogadores em campo como um reflexo nervoso próprio do futebol…
Estávamos a fechar o capitulo “Saliva que se expele da boca” (cito dicionário, claro), quando a mesma imprensa desportiva revela que, num desencontro verbal entre Cristiano Ronaldo e Koke, durante o Atlético Madrid - Real Madrid, de sábado passado, ao ser chamado de “maricas”, Ronaldo terá respondido: “Sou maricas mas cheio de dinheiro”…
Repare-se na sofisticação e lógica da resposta: à ideia de “maricas” responde-se com… dinheiro. Podia ter sido “Sou maricas mas sou o melhor jogador do mundo” ou “Sou maricas mas tenho uma cadeia de hotéis com o meu nome”. Tanto faz. Trata-se de uma nova forma de associação que nos pode levar longe - eu chamo socialista ao adversário, e ele arruma-me: “sou socialista mas sou do Benfica!”; “sou louro mas sei cozinhar!”, e não tem fim o ridículo de conjugações que podemos encontrar.
E ficaríamos pela brincadeira parva não se desse o caso da resposta de Ronaldo - como o “insulto” de Koke - não revelassem que, apesar das leis, da boa vontade e das melhores intenções, nada mudou muito mais do que, como canta Sérgio Godinho, na “ilusão das aparências”. Quando chega a hora da verdade, quando o sangue ferve e o raciocínio deixa de ter filtro, a maioria de nós volta a ver tudo a preto e branco, mergulhada nos mesmos preconceitos, intoxicada pelo mesmo passado. Nessa medida, o mundo do futebol continua a ser um dos mais fieis barómetros da nossa realidade social - e uma forma segura de baixarmos as expectativas e aceitarmos que continua tudo por fazer. Mesmo quando estamos cheios de dinheiro. O que nem sequer é o caso.

Blog da semana

Ladrões de Bicicletas. Voltar a um dos mais clássicos blogues colectivos de análise e pensamento social e político e reencontrar excelentes textos, opiniões pensadas antes de escritas, e o prazer de um bom serão ao sofá a ler. Like.

Uma boa frase

“O centrão político - conservadores, liberais, social-democratas, trabalhistas - anda há mais de vinte anos a liberalizar os movimentos de capitais, a desregulamentar as actividades financeiras, a promover o "comércio livre", menorizando as consequências resdistributivas destas opções. Andaram a promover a ideia de que o mundo é mais bem gerido pela "mão invisível" dos mercados do que pelos poderes democraticamente eleitos. De que é que precisam mais para perceber que este é o resultado da sua globalização: que Marine Le Pen vença as presidenciais francesas?" Ricardo Paes Mamede, Ladrões de Bicicletas

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mais comentários e ideias

pedro.roloduarte@sapo.pt

Seguir

Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2007
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D