Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Pedro Rolo Duarte

18
Mai14

O pior e o melhor

Nunca me esqueci de uma cena ternurenta que vi, algures nos anos 90, num filme com a Julia Roberts Michelle Pfeiffer - cujo titulo, para variar, me não lembro.. - em que o casal protagonista, pai de dois filhos, tinha o excelente hábito de perguntar todos os dias, ao jantar, a todos os presentes na mesa, o melhor e pior do dia que terminava.
Adoptei esse principio em casa, mas o caos da vida emocional nunca me deixou ser consistente no projecto. Felizmente, tenho amigas e amigos que seguiram o preceito, que é excelente para aferir vitórias e derrotas, falhas e acertos, nesta vida curta em que nunca sabemos rigorosamente como viver e “dar certo” - e tenho a convicção de que dali se tiram boas lições, ensinamentos, pistas.
Não é segredo para ninguém: fiz na sexta-feira 50 anos e decidi juntar muita gente numa festa. Convidei os meus melhores amigos e amigas (felizmente, tenho um numero generoso, certamente maior do que mereço); pessoas que passaram pela minha vida, de quem gostei, fiquei a gostar, ou me liguei para a vida; e pessoas que, por circunstancias profissionais ou pessoais, encontrei, gostei, e fiquei sempre próximo, mesmo que não íntimo. Tenho uma amiga que costuma dizer, a brincar, “eu não sou oferecida, sou garantida” - pois bem, assim me sinto em relação a algumas pessoas com quem, mesmo sem estar ligado diariamente, me sinto “garantido”. Nesta lista de aniversário redondo, seguramente me esqueci de algumas pessoas, e vou martirizar-me por isso quando me confrontar com esses falhanços…
Adiante.
A confusão, no bar do meu amigo Hernâni, foi geral (ainda bem..), e acabei por passar a noite - qual noivo solitário, sem noiva que me revezasse - a cumprimentar, abraçar, beijar, despedir, de todos os que me deram o privilégio da sua presença. Dancei 10 minutos e bebi metade do que beberia numa noite normal.
Mas no fim, quando cheguei a casa e fui baixar a adrenalina na varanda de onde vejo nascer o sol (quando as noites para aí caminham, raras, e esta foi uma delas…), apeteceu-me voltar, como no filme, ao melhor e ao pior deste dia de fortes emoções.
E o pior foi stressar excessivamente, porque desejei que todos se sentissem bem - e era tão óbvio que isso iria acontecer que foram cabelos brancos gratuitos e desnecessários… (Obrigado João Gobern, cuja musica, para variar, arrasou, fez delirar e deixou em transe quem decidiu dançar…). Ou seja: correu bem (obrigado, outra vez, compadre, obrigado Hernâni!).
O melhor foi conseguir juntar um grupo tão alargado, diverso, realmente próximo, de pessoas de quem gosto e que de mim gostam. Sem cobranças, apenas “porque sim”. É tão bom abraçar ou beijar uma pessoa de quem gostamos mesmo…
Tive os meus amigos e amigas mais próximos, o “nucleo duro”, mas também tive os amigos que “eu-sei-que-estão-lá-quando-é-preciso-e-nunca-falham”, ainda que pareçam mais distantes; e os amigos mais antigos, do tempo do liceu, ou da politica juvenil, ou da TV; e os amigos que só nós sabemos, porque a vida nem sempre permite que sejamos 24 sobre 24 horas, mas nós sabemos que mesmo assim somos…; e os conhecidos que, por afinidade e projectos comuns, sinto como amigos, mesmo sabendo que são bons velhos conhecidos para quem, lá está, sou “garantido”.  E até tive os amigos que não puderam estar e sei porquê. Eu sempre fui assim: entre amigos, nada se cobra.
Resultado: gostei de entrar nos 50 anos e ter à minha volta as pessoas de quem gosto a dançar (de novo, graças ao rigor e bom gosto do meu parceiro, sócio, compadre, amigo, João), a rir, a beber, a conversar. Viver é isso e estou mesmo muito grato a todos os que puderam vir, e aos que quiseram vir, mesmo não podendo.
Troquei presentes por doações à Coração com Coroa, fundada pela minha amiga eterna Catarina, e deixou-me feliz saber que houve quem alinhasse na ideia.
Entrei bem nos 50 e vocês comigo. Há melhor? Não. Não há.
Obrigado do fundo do coração. A todos.
O pior que pode acontecer é tomar-lhe o gosto e fazer festas todos os anos, depois de tantos anos sem festa alguma. Se assim for, fica escrito: a culpa é vossa.

3 comentários

Comentar post

Blog da semana

Ladrões de Bicicletas. Voltar a um dos mais clássicos blogues colectivos de análise e pensamento social e político e reencontrar excelentes textos, opiniões pensadas antes de escritas, e o prazer de um bom serão ao sofá a ler. Like.

Uma boa frase

“O centrão político - conservadores, liberais, social-democratas, trabalhistas - anda há mais de vinte anos a liberalizar os movimentos de capitais, a desregulamentar as actividades financeiras, a promover o "comércio livre", menorizando as consequências resdistributivas destas opções. Andaram a promover a ideia de que o mundo é mais bem gerido pela "mão invisível" dos mercados do que pelos poderes democraticamente eleitos. De que é que precisam mais para perceber que este é o resultado da sua globalização: que Marine Le Pen vença as presidenciais francesas?" Ricardo Paes Mamede, Ladrões de Bicicletas

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mais comentários e ideias

pedro.roloduarte@sapo.pt

Seguir

Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2007
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D