Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Pedro Rolo Duarte

28
Jan14

O que começa mal e depois se endireita

A minha relação com a escritora Rita Ferro começou da pior forma, com uma negligência profissional minha, para mais imperdoável. Numa capa do DNA apelidei-a de escritora “cor-de-rosa”, incluindo-a no lote daquelas autoras a quem esse “apelido” foi posto, algures lá pelos anos 90 do século passado.
A Rita reagiu de forma admirável: mandou-me todos os seus livros acompanhados de um cartão onde sugeria que lesse um, dois, ou todos. E depois rectificasse a adjectivação. Para melhor ou para pior. Tudo sem azedume nem agressividade - só ironia, sarcasmo, e todo o humor do mundo. Rendi-me, claro.
Não apenas me tornei admirador da Rita no mesmo minuto, como uma semana depois pedia desculpa aos leitores do DNA pela minha escorregadela. Quem as não dá? Rita Ferro tinha toda a razão.
Uns anos mais tarde entrevistei-a na SIC-Mulher e percebi o fundo fantástico da mulher que, por complexo ou pura parvoíce, embrulhei num daqueles estereótipos que nós, jornalistas (e digo-o sem qualquer orgulho), muitas vezes criamos para nos facilitar a vida.
Adiante. Daí para a frente, a Rita Ferro é pessoa que estimo, admiro, e leio. Recebi agora o primeiro volume do seu diário, “Veneza Pode Esperar”, e em poucos dias estava lido. Entre muitas passagens que podia assinar por baixo, deixo esta:
“Esta mente insidiosa lá arranjou um estratagema para me cegar momentaneamente na hora de prevaricar: entre o desejo e a satisfação, dá-se no meu cérebro uma disrupção de consciência que me permite gozar o momento e arrepender-me só depois”.

Não é que sofro do mesmo mal? Ainda ontem, com os croquetes da Versailles. Ou de certeza amanhã.

5 comentários

Comentar post

Blog da semana

Ladrões de Bicicletas. Voltar a um dos mais clássicos blogues colectivos de análise e pensamento social e político e reencontrar excelentes textos, opiniões pensadas antes de escritas, e o prazer de um bom serão ao sofá a ler. Like.

Uma boa frase

“O centrão político - conservadores, liberais, social-democratas, trabalhistas - anda há mais de vinte anos a liberalizar os movimentos de capitais, a desregulamentar as actividades financeiras, a promover o "comércio livre", menorizando as consequências resdistributivas destas opções. Andaram a promover a ideia de que o mundo é mais bem gerido pela "mão invisível" dos mercados do que pelos poderes democraticamente eleitos. De que é que precisam mais para perceber que este é o resultado da sua globalização: que Marine Le Pen vença as presidenciais francesas?" Ricardo Paes Mamede, Ladrões de Bicicletas

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mais comentários e ideias

pedro.roloduarte@sapo.pt

Seguir

Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2007
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D