Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Pedro Rolo Duarte

18
Set17

Porco pouco doce (ou o ensaio de um projecto de contos que pode nascer um dia destes...)

Quando ela lhe disse que sim, que aceitava o convite para jantar em sua casa, depois de uma longa noite de conversa e sedução no bar que os tinha aproximado, ele percebeu que tinha nas mãos – e no fogão... – um problema. O menu da sua existência, aos 25 anos, era demasiado curto para aquele mulherão de 30, mais de um metro e oitenta, um andar poderoso, que não oferece dúvidas, e acima de tudo uma maneira de estar que nada nem ninguém encavacava.

Não queria tropeçar no óbvio dos bifes, que qualquer homem faria, mas também não podia atirar-se para fora de pé com um pargo no forno ou algo muito trabalhado. Na dúvida – e sem saber que estava a optar pela receita certa nos jantares dos partidos em campanha eleitoral –, pensou numa carne assada no forno. Talvez um bom lombo de porco, a que juntaria batata corada e talvez um puré de maçã. Já o tinha visto fazer, em três tempos, em casa do seu irmão, um expert a impressionar raparigas com pratos delicados e elegantes. Uma salada comporia a mesa, a entrada podia ser improvisada com camarão cozido e uma maionese, e a sobremesa deixava nas mãos do infalível Frutalmeidas e do seu bolo de morango. Assunto arrumado.

Naquela segunda-feira, o dia estava reservado para a operação “conquista do castelo”, como gostava de lhe chamar. Odiava a pressa, o stress, a possibilidade de falhar pelas razões erradas – e por isso começou a empreitada cedo, encomendando e recolhendo o bolo, garantindo a maionese fresca, cozendo o camarão de moçambique, tamanho médio, para não dar demasiado trabalho nem sofrer de sensaboria, tratando do puré de maçã (fácil de fazer: maçã reineita descascada e partida em bocados, ao lume, com vinho do Porto, canela, um pouco de açucar e um tudo-nada de paciência a mexer a mistura...).

À tarde, depois de temperar a carne com vinho branco (sabiamente misturado com uma colher de sopa de vinagre), pimentão doce, um nada de alecrim, uma colher de café de cominhos, alho, louro, sal e pimenta, ligou o forno a baixa temperatura, deixou cozinhar durante quase uma hora, e só quando o aroma da carne lhe pareceu ajustado, subiu a temperatura para assar a carne e lhe garantir a capa dourada. Ao mesmo tempo, em poucos minutos, a maçã desfazia-se no preparado prévio e até teve de lhe acrescentar meio copo de água para aguentar a textura.

Ao fim de quase duas horas, abriu o forno e pareceu-lhe que tinha ali uma peça perfeita, a que só faltavam as batatas vagamente cozidas, que acabariam por assar naquele preparado, em sua original casca.

Acabou de misturar a salada, abriu o vinho do Douro, compôs os camarões em copos de pé alto, decorados com alface, tomate cherry, cenoura em palitos, rúcula e uns toques de maionese.

A campainha tocou, e ele ligou o I-Pod na lista “Primavera doce”, que já ouvira dezenas de vezes, sempre com sucesso.

Ela entrou com uma garrafa de champanhe gelado, apetitoso, e de acordo com todo o ambiente. Ele foi buscar duas flutes, e brindaram ao encontro, tão vagamente imprevisto como desejado. Ela elogiou o incenso de sândalo que ele tinha posto a queimar – e aproveitou a deixa para dizer, docemente mas assertiva:

- Só espero que o jantar não tenha porco. Sou alérgica e confesso que seria incapaz de me relacionar com quem come um animal tão querido...

Blog da semana

Mesa do ChefePara quem, como eu, gosta de cozinha, gastronomia e restauração, este é mais um dos poisos certos...

Uma boa frase

O Insurgente“Isaltino Morais: perda de mandato autárquico; condenado a 9 anos de prisão por fraude fiscal, abuso de poder, corrupção passiva para acto ilícito e branqueamento de capitais. Resultado 2017: 41.7% Esta é a imagem do país. Em suma, temos o país que merecemos, com os políticos que merecemos, com o fado que merecemos." Mário Amorim Lopes

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mais comentários e ideias

pedro.roloduarte@sapo.pt

Seguir

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D