Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Pedro Rolo Duarte

08
Mai14

Portugal sempre em bom

 

 

 

Foi inaugurado há 3 meses, com pompa e circunstância, o parque de estacionamento Mercado da Ribeira/Cais do Sodré, localizado na Praça D. Luís I. Como tinham decorrido em simultâneo escavações arqueológicas (das quais resultaram uma exposição permanente dentro do próprio parque), as obras demoraram este tempo e o outro, e o jardim da Praça esteve intransitável durante anos.
Mas em Fevereiro tudo ficou bonitinho e lá vimos Fernando Seara e Manuel Salgado, representando a Câmara de Lisboa, na inauguração do parque. Por algumas semanas houve paz naquela praça (paz relativa, que as obras do Mercado da Ribeira não dão sossego a ninguém…).
Mas… Mas à boa maneira portuguesa, aqui há dias a praça fechou novamente. Obras à superfície, agora no próprio jardim. Ou seja, obras à vez. Assim voltou a estar fechado o jardim (parece que vai ser alcatroado e a iluminação renovada) seguindo a lógica portuguesa do tapa e destapa. Os senhores do parque fizeram a sua obra, agora estão lá os senhores da câmara. Articularem-se para fazer tudo em simultâneo e prejudicar o menos possível o cidadão? Na, nop, isso eles ainda não aprenderam…

(Ou antes… tinha razão o tipo que inventou a anedota que li num site brasileiro:
“Dois portugueses estavam trabalhando para o Departamento de Urbanismo. Um escavava um buraco, o outro vinha atrás e voltava a encher o buraco. Trabalhavam de um lado ao outro da rua. Passaram à rua seguinte. Sem nunca descansar, um escavava um buraco e outro enchia o buraco outra vez. Um espectador, divertido com a situação, mas não entendendo o porquê do que eles faziam, foi perguntar ao cavador:
— Estou impressionado com o esforço que os dois põem no trabalho, mas não compreendo por que um escava um buraco e, mal acaba, o parceiro vem atrás e volta a enchê-lo.
O cavador, limpando a testa, suspira:
— Bem, isto realmente pode parecer estranho, porque normalmente somos três homens na equipe. Mas hoje o gajo que planta as árvores telefonou a dizer que está doente”.)

 

1 comentário

Comentar post

Blog da semana

O Diplomata. Dez anos de blog é obra. Alexandre Guerra festeja, e com razão, um espaço de reflexão, análise e opinião do mundo político internacional. Merece o bolo.

Uma boa frase

“Se isto fosse no tempo do Sócrates, a esta hora o Trump já tinha em cima da mesa uma proposta da Mota-Engil para a construção do muro. Com financiamento do BES e projecto do Siza Vieira." Rui Rocha, Delito de Opinião

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mais comentários e ideias

pedro.roloduarte@sapo.pt

Seguir

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D