Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Pedro Rolo Duarte

30
Out16

Quando tudo muda

vnmf1.jpg(Para a Rita Fernandes, para o Jaime)

Ontem, ao final da tarde, depois de um mergulho inesperado em São Torpes, estava a beber uma cerveja com esta vista pela frente. Meio-mundo a conhece: a foz do rio Mira, em Vila Nova de Milfontes, onde a água doce se mistura com a salgada, num confronto sem vencedores nem vencidos.
E como os pensamentos correm como a água, sem fronteiras que os travem ou limitem, lembrei-me por que fui parar a Milfontes, em 1987, e por que motivo desde aí troquei o aparentemente eterno triângulo Penedo/Praia Grande/Colares pelo Alentejo - que começou aqui, depois passou pela Zambujeira-do-Mar, e nos últimos anos parece ter aterrado de vez em Melides. A razão é tão simples como profunda e marcante: a morte do meu pai, em Fevereiro de 1987, mudou tudo na vida do jovem de 22 anos que eu era, e para quem a vida não tinha a morte incluída.
Para mim, naquele tempo (como hoje), o Penedo, a Praia Grande, Almoçageme, Colares, eram os lugares do meu pai: do “Funçageiro” de Colares ao “Café do Pinto” (onde ele convencera a aldeia de que as imagens da chegada do homem à Lua eram desenhos animados…), passando pelas conversas na Praia, com a Dona Luísa, sobre o método de fabrico da Bola de Berlim, ou os cafés nocturnos no Bibió, por entre bandejas vindas de todo o planeta. Naquele final da década de 80, a zona estava tomada por memórias que me faziam sofrer e que queria evitar. Tinha de continuar a viver, essa era a verdade dos factos.
Foi assim que desci, costa abaixo, à procura de lugares virgens, sem História, e onde pudesse viver uma vida que me tinha sido mudada sem aviso prévio. E foi assim que cheguei a Milfontes, à Longueira, à Zambujeira, a Almograve, e desbravei toda a costa alentejana até me fixar em Melides.
Hoje, quase 30 anos depois da morte do meu pai, já consigo voltar ao Penedo, ou à Praia Grande, com gosto. A memória perdeu o sabor amargo e ficou apenas doce. Olho alguns pessoas daquele tempo, que raramente me reconhecem, e gosto de saber quem são. Há lugares que não mudaram e sinto-me confortado. Passou muito tempo e tudo ficou mais suave. O tempo passa.
O mesmo tempo que ontem, olhando a foz do Mira, me pareceu já distante. Mas ainda assim familiar, doce, e de alguma forma pessoal e intransmissível. Deve ser isso aquilo a que chamam, de forma comum, “recordações”. Pode ser que sejam - mas são o que resta do que vivemos e deixou marca. Sinto-me mais rico com elas.

3 comentários

Comentar post

Blog da semana

Ladrões de Bicicletas. Voltar a um dos mais clássicos blogues colectivos de análise e pensamento social e político e reencontrar excelentes textos, opiniões pensadas antes de escritas, e o prazer de um bom serão ao sofá a ler. Like.

Uma boa frase

“O centrão político - conservadores, liberais, social-democratas, trabalhistas - anda há mais de vinte anos a liberalizar os movimentos de capitais, a desregulamentar as actividades financeiras, a promover o "comércio livre", menorizando as consequências resdistributivas destas opções. Andaram a promover a ideia de que o mundo é mais bem gerido pela "mão invisível" dos mercados do que pelos poderes democraticamente eleitos. De que é que precisam mais para perceber que este é o resultado da sua globalização: que Marine Le Pen vença as presidenciais francesas?" Ricardo Paes Mamede, Ladrões de Bicicletas

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mais comentários e ideias

pedro.roloduarte@sapo.pt

Seguir

Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2007
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D