Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Pedro Rolo Duarte

25
Ago14

Rasca

A crónica de José António Saraiva sobre Emídio Rangel é uma das mais lamentáveis prosas que li nos últimos tempos. Rasca, acintosa, azeda, vingativa, é um daqueles bons exemplos que podemos guardar quando quisermos demonstrar o pior que a raça humana pode ter.
Saraiva dispara sem dó nem piedade sobre duas pessoas que não se podem defender - Rangel e Margarida Marante -, insinua infidelidades e traições, reclama louros que nunca teve (parece que sem a sua palavra jamais Pinto Balsemão teria contratado Emidio Rangel para a SIC… Só para rir!), invade a privacidade alheia revelando conversas privadas e dando a entender comportamentos menos próprios, e ainda usa a doença de Rangel para paternalmente “o desculpar” nalguns momentos menos felizes. Sexo, drogas, rock, vale tudo na prosa rasteira do arquitecto, desprovida de qualquer principio ou valor ético. Não consigo encontrar classificação para tão baixo-nivel.
Fazendo parte dos que reconhecem o gigantesco talento e valor de Emidio Rangel (lamentavelmente, vi os empresários de media virar costas, nos últimos anos, a esse valor…), não faço parte, porém, daqueles que o elogiam pessoalmente, porque o que dele conheci na escassa relação que tivemos, e que fica guardado entre nós, não é elogiável. Isso leva-me ao respeito e ao recato. Mas não abala a admiração pela sua obra, pelo trabalho, pela forma empenhada e frontal de estar na vida.
Pelos vistos, a outros inspira o exibicionismo e a desfaçatez. Depois de ler o nojo que Saraiva escreveu, fiquei com saudades de Emídio Rangel. Não gostávamos pessoalmente um do outro, mas respeitávamo-nos  - e mais do que isso, tenho a certeza de que nenhum de nós desceria ao nível a que José António Saraiva desceu. Faz toda a diferença.

8 comentários

Comentar post

Blog da semana

Ladrões de Bicicletas. Voltar a um dos mais clássicos blogues colectivos de análise e pensamento social e político e reencontrar excelentes textos, opiniões pensadas antes de escritas, e o prazer de um bom serão ao sofá a ler. Like.

Uma boa frase

“O centrão político - conservadores, liberais, social-democratas, trabalhistas - anda há mais de vinte anos a liberalizar os movimentos de capitais, a desregulamentar as actividades financeiras, a promover o "comércio livre", menorizando as consequências resdistributivas destas opções. Andaram a promover a ideia de que o mundo é mais bem gerido pela "mão invisível" dos mercados do que pelos poderes democraticamente eleitos. De que é que precisam mais para perceber que este é o resultado da sua globalização: que Marine Le Pen vença as presidenciais francesas?" Ricardo Paes Mamede, Ladrões de Bicicletas

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mais comentários e ideias

pedro.roloduarte@sapo.pt

Seguir

Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2007
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D