Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Pedro Rolo Duarte

28
Abr15

Somos todos aqui, na Terra

salgado.jpg

Sei que é uma expressão típica das novas gerações: quando querem dizer que algo é extraordinário, que lhes encheu as medidas, exclamam um “é brutal!” que a mim quase sempre me cheira a exagero…
… Porém, “brutal!” é mesmo a palavra que me ocorre depois de ver a exposição “Génesis”, do genial Sebastião Salgado, que enche os corredores da Cordoaria Nacional. Brutal no sentido de extraordinário, mas também no sentido de impressionante, de impactante, de grandioso. Brutal ainda na ideia de um mundo tão maior do que o julgamos, do que o conhecemos, do que o sonhamos.
“Génesis” percorre, com a mestria do trabalho a preto e branco de Salgado, das suas texturas, nuances de cor e dimensões, um mundo de contrastes e complementos: da natureza, de um reino animal que nos confronta e desafia, de povos e culturas que nos fazem todos iguais, por sermos todos diferentes. E vivermos em tempos comuns, porém desfasados e próprios.
Costumo dizer - e é lugar-comum, claro - que viajar é a melhor maneira de nos recolocarmos no universo e termos a verdadeira dimensão da nossa pequenez e insignificância individual, e do mundinho da treta onde vivemos. Depois de ter visto “Génesis”, diria que, além de viajar, ver esta exposição ainda nos torna mais pequenos, mais humildes, e acima de tudo mais humanos. Somos todos aqui, na Terra. E é brutal.

 

1 comentário

Comentar post

Blog da semana

O Diplomata. Dez anos de blog é obra. Alexandre Guerra festeja, e com razão, um espaço de reflexão, análise e opinião do mundo político internacional. Merece o bolo.

Uma boa frase

“Se isto fosse no tempo do Sócrates, a esta hora o Trump já tinha em cima da mesa uma proposta da Mota-Engil para a construção do muro. Com financiamento do BES e projecto do Siza Vieira." Rui Rocha, Delito de Opinião

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mais comentários e ideias

pedro.roloduarte@sapo.pt

Seguir

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D