Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Pedro Rolo Duarte

28
Abr15

Somos todos aqui, na Terra

salgado.jpg

Sei que é uma expressão típica das novas gerações: quando querem dizer que algo é extraordinário, que lhes encheu as medidas, exclamam um “é brutal!” que a mim quase sempre me cheira a exagero…
… Porém, “brutal!” é mesmo a palavra que me ocorre depois de ver a exposição “Génesis”, do genial Sebastião Salgado, que enche os corredores da Cordoaria Nacional. Brutal no sentido de extraordinário, mas também no sentido de impressionante, de impactante, de grandioso. Brutal ainda na ideia de um mundo tão maior do que o julgamos, do que o conhecemos, do que o sonhamos.
“Génesis” percorre, com a mestria do trabalho a preto e branco de Salgado, das suas texturas, nuances de cor e dimensões, um mundo de contrastes e complementos: da natureza, de um reino animal que nos confronta e desafia, de povos e culturas que nos fazem todos iguais, por sermos todos diferentes. E vivermos em tempos comuns, porém desfasados e próprios.
Costumo dizer - e é lugar-comum, claro - que viajar é a melhor maneira de nos recolocarmos no universo e termos a verdadeira dimensão da nossa pequenez e insignificância individual, e do mundinho da treta onde vivemos. Depois de ter visto “Génesis”, diria que, além de viajar, ver esta exposição ainda nos torna mais pequenos, mais humildes, e acima de tudo mais humanos. Somos todos aqui, na Terra. E é brutal.

 

1 comentário

Comentar post

Blog da semana

Ladrões de Bicicletas. Voltar a um dos mais clássicos blogues colectivos de análise e pensamento social e político e reencontrar excelentes textos, opiniões pensadas antes de escritas, e o prazer de um bom serão ao sofá a ler. Like.

Uma boa frase

“O centrão político - conservadores, liberais, social-democratas, trabalhistas - anda há mais de vinte anos a liberalizar os movimentos de capitais, a desregulamentar as actividades financeiras, a promover o "comércio livre", menorizando as consequências resdistributivas destas opções. Andaram a promover a ideia de que o mundo é mais bem gerido pela "mão invisível" dos mercados do que pelos poderes democraticamente eleitos. De que é que precisam mais para perceber que este é o resultado da sua globalização: que Marine Le Pen vença as presidenciais francesas?" Ricardo Paes Mamede, Ladrões de Bicicletas

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mais comentários e ideias

pedro.roloduarte@sapo.pt

Seguir

Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2007
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D