Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Pedro Rolo Duarte

06
Nov16

Ter saudades de quem se gostou (mesmo de quem, quase sempre…se discordou)

Quando morreu, cedo demais, há 5 anos, senti que partia uma “das minhas”. No entanto, ela vinha de uma classe social que não é a minha, era assumidamente de direita (os anos fizeram-me mais livre e equidistante de todos os dogmas, mas nunca um homem de direita…), e nem sequer pertencia ao meu grupo de amigos ou conhecidos.
Porém, pelas entrevistas que lhe fiz em rádio, televisão e imprensa, pelos contactos tidos, pelas conversas pessoais (que, dado não ser jornalista/arquitecto, nem me passa pela cabeça revelar...), senti sempre a Maria José Nogueira Pinto como uma “das minhas”. Clara, frontal, corajosa, inteligente. Respeitadora. Dava o braço a torcer com a mesma convicção com que defendia uma ideia. Tinha uma vantagem rara entre nós: só falava do que sabia.
Como se não bastasse, um apurado sentido de humor, sendo capaz de gozar consigo própria - o que mostrava que não se levava demasiado a sério, sinal superior de inteligência. Vamos todos morrer. Como se não bastasse, era bonita, elegante, luminosa (não vejam esta frase como machista, uso-a com homens e mulheres).
Os castelos de cartas são mesmo assim: por ter conseguido, com sucesso, passar para o Youtube, e daí para o Blog, um CD com um formato esquisitíssimo que julgava guardar toda a conversa que tive na RTP com o Professor João Lobo Antunes (afinal tem menos de meia-hora, o resto há-de estar numa VHS, sei lá onde…), repeti agora a experiência com um bocado da conversa que tive com a Maria José Nogueira Pinto, no mesmo programa, “Falatório”, em 1987.  
E só pelo que ela diz sobre as Juventudes dos Partidos - lá está, um dos muitos pontos em que estávamos de acordo - vale a pena a meia-hora.
Mas a mais pura das verdades é esta: ouvi-la, lembrar o sorriso e a inteligência, o humor e a verdade, deixou-me cheio de saudades. Dela, sempre. E (ía escrever de políticos, mas é bem mais do que isso…) de pessoas como ela.

 

1 comentário

Comentar post

Blog da semana

Mesa do ChefePara quem, como eu, gosta de cozinha, gastronomia e restauração, este é mais um dos poisos certos...

Uma boa frase

O Insurgente“Isaltino Morais: perda de mandato autárquico; condenado a 9 anos de prisão por fraude fiscal, abuso de poder, corrupção passiva para acto ilícito e branqueamento de capitais. Resultado 2017: 41.7% Esta é a imagem do país. Em suma, temos o país que merecemos, com os políticos que merecemos, com o fado que merecemos." Mário Amorim Lopes

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mais comentários e ideias

pedro.roloduarte@sapo.pt

Seguir

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D