Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Pedro Rolo Duarte

22
Out14

Trabalhar sem aquecer

(Crónica originalmente publicada na revista Lux Woman. A deste mês saiu hoje mesmo!)

Matéria recente numa revista de Televisão: “O meu filho quer ser estrela de TV. E agora?”. Só este titulo inspiraria uma tese de mestrado. O que é uma “estrela de TV”? Pode um pai deixar que a questão se coloque sem antes se interrogar sobre o absurdo da própria questão? Que raio de profissão é esta, “estrela de TV”?
O artigo era surreal nalguns pontos de um pretenso guia prático para pais cujos filhos concorrem a concursos de TV (com e sem talento): além dos miúdos faltarem às aulas para os ensaios e algumas gravações, o (cito) “encarregado de educação também deverá faltar ao trabalho”. Referências aos peculiares contratos que deixam menores de idade nas mãos de empresas de televisão, e ao facto de não haver qualquer espécie de assistência psicológica em caso de derrota, já nem me conseguiram surpreender.
Mas o artigo remeteu-me para um cantor de generosa idade que dizia numa entrevista algo como isto: “quando comecei, era preciso trabalhar para se ser conhecido; agora, é preciso ser-se conhecido para se ter trabalho”.
As duas realidades - a do artigo sobre “estrelas de TV” e a do lamento do cantor - cruzam-se no momento em que atingimos o grau zero da sensatez no mundo laboral. Já nada é garantido, válido, ou sequer lógico. Ter um curso ou não ter, ter talento ou não ter, ter experiência ou não ter - tudo é aleatório, caótico e imprevisível. Há quem cresça a querer “ser famoso” - e há pais que acham “isto” razoável e normal.
Se aceitamos que “ser famoso” pode ser ambição profissional, somos forçados a aceitar que ter idade pode ser algo desprezível. Um empresário meu amigo, já perto da reforma, e que deixou as suas empresas aos filhos, dizia-me que nem se atrevia a sugerir um profissional sénior aos herdeiros, mesmo sabendo que tinha talento e sabedoria para os lugares em falta - “o meu filho e os seus colegas não querem ouvir falar de pessoas com mais de 40 anos - acham que lhes falta ritmo, vontade, rapidez, e acima de tudo não querem pagar o valor da experiência. Para eles, experiência vale zero, pode até ser empecilho”. Falava sem ponta de indignação - conformado, como se fosse assim mesmo, sem retorno, óbvio.
Quando penso em todas as variáveis que um percurso profissional encerra nos dias que correm, acabo invariavelmente deprimido: não consigo compreender um mundo onde o saber adquirido é desprezado, a energia jovem é explorada sem dó nem piedade, “ser famoso” pode ser uma ambição de vida, e o trabalho é encarado como um numero de processo. Não consigo perceber que um mundo feito de pessoas - sim, ainda são pessoas a mandar em pessoas, a decidir, a pensar, a governar - possa ser tão cruel para com… pessoas. Uns contra os outros? Uns contra os outros.
No mesmo mundo que um dia percebeu que a escravatura não fazia sentido, que mais tarde reconheceu o absurdo do racismo, que por fim caiu em si e conseguiu ver homens e mulheres em pé de igualdade, e direitos das crianças reconhecidos, não concebo que se tenha descido tão baixo nas relações laborais, no respeito pelo trabalho e pelo trabalhador, e nas lógicas empresariais que levam à contratação e ao despedimento. Ou mesmo à ideia de que o esforço e o estudo podem ser substituídos pela fama instantânea num concurso onde se comem minhocas ou se imitam cantores. Estarei a envelhecer ou apenas excessivamente lucido? Não sei. Mas sei que pensar nesta loucura em que se tornou o trabalho me deixa pouco optimista quanto ao futuro dos filhos de quem o tornou tão estupidamente injusto e ingrato.
O mundo mudou, já todos sabemos. Mas não era preciso ter mudado tanto. Ou afinal tão pouco, se recuarmos ao passado mais passado…

4 comentários

Comentar post

Blog da semana

Ladrões de Bicicletas. Voltar a um dos mais clássicos blogues colectivos de análise e pensamento social e político e reencontrar excelentes textos, opiniões pensadas antes de escritas, e o prazer de um bom serão ao sofá a ler. Like.

Uma boa frase

“O centrão político - conservadores, liberais, social-democratas, trabalhistas - anda há mais de vinte anos a liberalizar os movimentos de capitais, a desregulamentar as actividades financeiras, a promover o "comércio livre", menorizando as consequências resdistributivas destas opções. Andaram a promover a ideia de que o mundo é mais bem gerido pela "mão invisível" dos mercados do que pelos poderes democraticamente eleitos. De que é que precisam mais para perceber que este é o resultado da sua globalização: que Marine Le Pen vença as presidenciais francesas?" Ricardo Paes Mamede, Ladrões de Bicicletas

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mais comentários e ideias

pedro.roloduarte@sapo.pt

Seguir

Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2007
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D