Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Pedro Rolo Duarte

15
Set14

Trovas do vento que passa

Noticia de jornal: “Os bilhetes para os quatro concertos de Martina Stoessel – a Violetta da Disney, que actua no Pavilhão Meo Arena, em 2015 –, devem esgotar este domingo. Em pré-venda, ‘voaram’ 24 mil entradas no sábado”. Perguntará o incauto: e quem é a Violetta?
Só quem tem filhos abaixo dos 10 anos sabe responder com propriedade, mas dada a minha convivência com algumas crianças dessas idades, posso adiantar: é a protagonista de uma série que passa apenas no canal Disney e se chama justamente Violetta. A rapariga tem 17 anos, é argentina, actriz e cantora. A televisão mostrou as filas para comprar bilhetes e a histeria que se apoderou da miudagem quando se soube que vinha a Portugal.
Até aqui nada de novo, é mais um daqueles fenómenos de popularidade que as crianças cultivam com esmero e dedicação até ao dia em que cruelmente trocam essa obsessão por outra, e esquecem em minutos o que parecia ser um amor para a vida…
O que é novo (ou melhor, mais sólido do que nunca, dado que já tínhamos visto um caso semelhante com a série Hannah Montana, que lançou para a estratosfera Miley Cyrus) é o facto de se confirmar por esta via o fim do poder hegemónico dos canais de televisão generalistas sobre as massas populares.
Ou seja: não foi a RTP nem a SIC nem a TVI a criarem e tornarem monumental a figura de Violetta - foi um canal de cabo, para mais um canal temático, infanto-juvenil. Certamente articulado com redes sociais e outras plataformas, a Disney consegue criar um fenómeno de moda que nos habituámos desde sempre a estar reservado apenas aos generalistas. É o fim de um tempo, é mais um paradigma que muda, mais um dado adquirido que desaparece.
Os media vivem a maior revolução desde que Gutenberg inventou o que viria a ser a tipografia. Ao contrário do que sucedeu com o aparecimento da rádio ou da TV, o que está hoje em causa não é o meio - é o modelo de negócio em si, é a maneira de comunicar, são os canais e as plataformas de comunicação. No século XX evoluímos da impressão em papel e da telegrafia até à rádio, à televisão, ao cinema, ao video. Criámos uma industria e uma forma de ganhar dinheiro com ela. No começo deste século XXI, todo esse mundo desapareceu e estamos de facto a inventar de novo a roda. Mesmo sem saber como roda e para que lado vai rodar.
É tão fascinante quanto imprevisível. Ou talvez seja fascinante por causa disso mesmo.

Blog da semana

Ladrões de Bicicletas. Voltar a um dos mais clássicos blogues colectivos de análise e pensamento social e político e reencontrar excelentes textos, opiniões pensadas antes de escritas, e o prazer de um bom serão ao sofá a ler. Like.

Uma boa frase

“O centrão político - conservadores, liberais, social-democratas, trabalhistas - anda há mais de vinte anos a liberalizar os movimentos de capitais, a desregulamentar as actividades financeiras, a promover o "comércio livre", menorizando as consequências resdistributivas destas opções. Andaram a promover a ideia de que o mundo é mais bem gerido pela "mão invisível" dos mercados do que pelos poderes democraticamente eleitos. De que é que precisam mais para perceber que este é o resultado da sua globalização: que Marine Le Pen vença as presidenciais francesas?" Ricardo Paes Mamede, Ladrões de Bicicletas

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mais comentários e ideias

pedro.roloduarte@sapo.pt

Seguir

Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2007
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D