Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Pedro Rolo Duarte

08
Nov12

Lembrar e esquecer

 

No domingo passado espreitei o mercado de novos e usados do CCB, desta vez francamente ampliado. Gosto de andar por ali a ver o que produz quem decide criar novo, artesanal, à mão, mas também gosto de tropeçar em antiguidades, ou em memórias. Desta vez, caiu-me um calhau em cima da cabeça, um daqueles flashs que deixam qualquer um de cara à banda: uma memória de infância desaparecida! Se eu não tivesse visto, numa banca de papelada antiga e livros, uma série de folhas de Actiontransfers, jamais me lembraria de que aquela foi uma das minhas obsessões de infância: folhas de decalques com pessoas, animais, objectos, que se “colavam” numa espécie de álbuns que constituiam, ao mesmo tempo, capa e guarda-decalques. A paixão começou porque o meu pai usava letraset – letras decalcáveis em papel – em alguns dos seus trabalhos, e eu era fascinado por aquelas letras mortas que ganhavam vida quando saltavam das transparências para o papel.

Mas os Actiontransfers eram muito melhores – além de coloridos, eram bonecos, animais, objectos, que se decalcavam para cenários previamente impressos, onde ficavam a brilhar e permitiam todos os sonhos. Eu era apaixonado por aquilo, e lembro-me de passar horas a olhar para um soldado, observar o cenário, e escolher com rigor o lugar onde ía ser “imortalizado”. Domingo passado, quando os meus olhos se fixaram numa capa de Actiontransfers na banca da feira do CCB, parecia que estava a ser sugado por um aspirador de memória. Como é que me esqueci dos Actiontransfers? Como é que me lembro da revista Recreio, dos soldados da Airfix, dos carrinhos da Matchbox, dos livros dos sete, das tardes da Vovó Donalda, e apaguei o ficheiro dos Actiontransfers? Desde esse dia que ando a tentar perceber o mistério. Será trauma ou casualidade? Ou apenas a natural hierarquia das memórias? É o mais provável. Mas não me conformo, porque abri um precedente no que julgava ser uma ainda boa memória de infância. De que mais me terei esquecido?

Blog da semana

Gisela João O doce blog da fadista Gisela João. Além do grafismo simples e claro, bem mais do que apenas uma página promocional sobre a artista. Um pouco mais de futuro neste universo.

Uma boa frase

Opinião Público"Aquilo de que a democracia mais precisa são coisas que cada vez mais escasseiam: tempo, espaço, solidão produtiva, estudo, saber, silêncio, esforço, noção da privacidade e coragem." Pacheco Pereira

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mais comentários e ideias

pedro.roloduarte@sapo.pt

Seguir

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D