Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Pedro Rolo Duarte

03
Abr09

Vítor Direito

 
Já aqui contei que o Correio da Manhã foi o primeiro jornal onde publiquei. Na altura, não conheci o director (e fundador) Vítor Direito, por razões que se podem ler no post em causa.

Acabei por conhecê-lo, muitos anos depois, em circunstâncias especiais. Estava a fazer o DNA, no Diário de Notícias, e em Abril de 2004, para assinalar o trigésimo aniversário da revolução, tive uma ideia que me pareceu eficaz e criativa: conceber uma edição do suplemento submetida ao crivo da censura. Criar graficamente um processo de cortar os textos (ou bocados de texto) que a censura, se ainda existisse, eliminaria. E assinalar assim o que me parece ser, ainda hoje, a maior conquista do movimento militar: a liberdade. De informar, de opinar, de viver.

Para fazer esse trabalho, convidei um dos profissionais que mais sofreu com os cortes do lápis azul, e cujo perfil me garantia uma atitude pelo menos bem-humorada face ao desafio: António Ruella Ramos, que foi director do Diário de Lisboa. Simpático e cortês, Ruella Ramos aceitou o desafio, mas disse-me que achava um trabalho pesado para um homem só, e tinha dúvidas sobre as suas qualidades em matéria de “corte” – mas, como achou piada à ideia, sugeriu dividir o trabalho com um amigo que também tinha vivido activamente esses tempos em que escrever era fácil, mas publicar bem difícil. O amigo era Vítor Direito.

Juntos, eles leram as 48 páginas do suplemento e com mestria e rigor “cortaram-no” literalmente às postas. O designer Paulo Barata conseguiu um traço azul suficientemente visível, para se perceber a ideia, mas que ao mesmo tempo permitia ler o que estava cortado - e daí ser possível aferir os critérios da censura, tão ideológicos quanto, em determinadas áreas, ridículos na tentativa de “contornar” a vida comum de todos os dias.

Na capa desse DNA (dedicada a Salvador Dali...) surgiu o velho carimbo “Visado pela Comissão de Censura”. E surtiu efeito a ideia.

O que mais me surpreendeu, confesso, foi a forma absolutamente séria, profissional e empenhada como Vítor Direito e Ruella Ramos levaram até ao fim a missão - que, para mim, apesar de tudo, era uma brincadeira para marcar uma data.

No fim, ao agradecimento reconhecido que lhes fiz, encolheram os ombros como se não fosse nada com eles. Ou melhor: como se estivessem numa redacção de jornal a cumprir a missão que lhes tinha calhado em sorte.

Ontem, ao saber da morte de Vítor Direito, recuperei o mesmo pensamento que tive nesses dias de 2004: gostava de ter tido a oportunidade e o tempo para o ter conhecido melhor. Aprender com quem viveu é aprender duas vezes.

 

(A fotografia foi a que saiu nesse DNA, assinada por Alberto Pico)

2 comentários

  • Sem imagem de perfil

    João Viegas 08.04.2009

    Este é um comentário mais ao Pedro Foyos do que ao Victor Direito que também conheci no pós 25 de Abril quando colaborei no Coiso, director Mário-Henrique Leiria, e onde eu fazia uns cartoons que, penso eu, saíam aos sábados.
    O Coiso era o suplemento anarca da República.
    Foi nessa altura que reencontrei o Pedro Foyos que se estava a mudar para uma casa nova em Loures e que depois ( com o Pedro já tinha sido colega na Fotografia e Cinema dos serviços Cartográficos).
    Depois vivi vários anos fora \de Portugal e perdi o rastro do Pedro Foyos. Qual foi o meu espanto quando o reencontrei neste blog de outro Pedro e que visito regularmente.
    Pedro se quiseres dar uma palavra visita o meu blog ogalodebarcelosaopoder.blogspot.com
    Para nos rirmos de quando não éramos ainda grisalhos...
  • Comentar:

    Mais

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

    Este blog tem comentários moderados.

    Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

    Blog da semana

    Gisela João O doce blog da fadista Gisela João. Além do grafismo simples e claro, bem mais do que apenas uma página promocional sobre a artista. Um pouco mais de futuro neste universo.

    Uma boa frase

    Opinião Público"Aquilo de que a democracia mais precisa são coisas que cada vez mais escasseiam: tempo, espaço, solidão produtiva, estudo, saber, silêncio, esforço, noção da privacidade e coragem." Pacheco Pereira

    Subscrever por e-mail

    A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

    Mais comentários e ideias

    pedro.roloduarte@sapo.pt

    Seguir

    Arquivo

    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2016
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2015
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2014
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2013
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2012
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2011
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2010
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2009
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2008
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2007
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D