Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Pedro Rolo Duarte

03
Nov17

O Tomaz

TB.jpg

Até quase aos 40 anos, tive uma sorte brutal: com raras excepções, cada pessoa que entrava na minha vida, ou vice-versa, por razões profissionais ou pessoais, era uma mais-valia, e orgulho-me de ter aprendido a viver muito bem acompanhado. Quando dei pelos factos tinha mais amigos do que tempo de qualidade para lhes dedicar. Cheguei a dizer, nas conversas parvas de fim de noite, depois de acabar o gelo, que não queria conhecer mais ninguém, até porque não havia mais ninguém para conhecer.

As infantibilidades taxativas que tantas vezes sublinhavam alguma arrogância tinham de ser pagas – e logo ao virar da década seguinte, abriram-se as hostilidades. Vieram as revelações tristes, as desilusões, os telefones que não tocam quando antes eram excessivos, e um longo caminho de pedras que, por pior que tenha sido nalguns momentos, me recolocou no universo e me deu o banho de humildade e simplicidade de que precisava.

Como se não bastasse, ainda me acrescentou uma lição sobre as certezas: julgava que havia algumas, mas não há uma única. Foi assim que, depois dos 40, e ao contrário do que me parecia óbvio, conheci algumas das pessoas mais importantes da minha vida, aproximei-me de quem não esperava, e dei comigo a pensar nos anos perdidos a julgar que o “mundo cá fora” estava cheio de “não presta”, como dizia a madrinha da minha mãe.

Não estava. Havia gente que me fazia falta e eu não sabia. Havia gente a quem talvez fizesse falta, e não sabia. Acima de tudo, havia gente “lá fora” e eu persistia em manter a porta fechada.

Foi muito graças à minha mais que muito amiga Teresa Esquível que as coisas mudaram – a sua forma livre e desabrida de viver, a ausência de preconceitos idiotas, um coração do tamanho do mundo, uma amizade sem limites nem fronteiras, e uma inexcedível capacidade de transformar em humor, ou amor, a maior contrariedade, ajudaram a libertar-me das merdinhas todas que se nos colam na vida.

Tudo isto para chegar aqui: por causa da Teresa, tarde mas felizmente ainda a tempo de lhe reconhecer o melhor, conheci o Tomaz Bairros, de quem ouvira falar muitas vezes no tempo das “portas fechadas”. Quem o conhece percebe que a frase da coca-cola se lhe aplica como uma luva: primeiro estranha-se, depois entranha-se.

Comigo foi. Estes dez anos em que convivi com o Tomaz, aprendendo a ler-lhe aquele olhar entre o malandro, o ausente e o eufórico, foram sempre, sempre, lições. De humor, de simplicidade, de inteligência, de cultura, de voar numa única frase de um concurso de karaoke a um estudo aeronáutico improvável; de receber dele os conselhos do prazer – “não há entrecosto como o do...” -, de o ver de fato e gravata com a mesma atitude com que participava activamente nas festas da sua terra.

O Tomaz foi a surpresa que já não se espera – e a sua morte, a tristeza funda que não se deseja a ninguém. Hoje é um dia muito triste. Muito triste. Não há como contornar as palavras. São o que são. E ardem cá dentro.

1 comentário

Comentar:

CorretorEmoji

Notificações de respostas serão enviadas por e-mail.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Blog da semana

Gisela João O doce blog da fadista Gisela João. Além do grafismo simples e claro, bem mais do que apenas uma página promocional sobre a artista. Um pouco mais de futuro neste universo.

Uma boa frase

Opinião Público"Aquilo de que a democracia mais precisa são coisas que cada vez mais escasseiam: tempo, espaço, solidão produtiva, estudo, saber, silêncio, esforço, noção da privacidade e coragem." Pacheco Pereira

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mais comentários e ideias

pedro.roloduarte@sapo.pt

Seguir

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D